segunda-feira, 2 de julho de 2012

O ESPÍRITO DAS LÍNGUAS E AS DIVERSAS MENTALIDADES..

Entretenho-me a folhear um livro que em tempos tive de estudar: "Introduction au Latin”, do grande filólogo francês,  Jules Marouzeau.
E, de repente, prendeu-me outra vez aquela história toda... Tão longe vai o meu latim! Como redescubro o interesse da viagem às origens do Latim! Os parentescos, as línguas-irmãs, a língua-mãe. O Indo-europeu? 



E qui paro para vos contar o que encontrei e me divertiu na divergência enorme entre o Grego e o Latim. Como os povos, eles mesmos, tão diferentes eram, na concepção das coisas da vida...


Alexandre Magno, mosaico

E tanto se opuseram na diversidade de costumes, na atitude perante a vida, na sua escrita e na Literatura, na sua Arte. Na guerra também...


Na mentalidade, enfim. 


A utilidade predomina em Roma, a construção de estradas, de pontes. E mesmo de termas, desconhecidas por cá!
estrada romana em Portugal, perto de Braga
ruínas de termas perto de Braga


A quem temos que agradecer nós todos, os que foram abrangidos pelo Império Romano. Lembrando as figuras inesquecíveis do nosso imaginário galo-romano: Astérix e Obélix, mais as legiões romanas!

famosa aldeia da Gália
A Ibéria

Astérix e Obélix, rindo dos exércitos romanos


ou fugindo dos romanos



restos da estátua gigantesca de Constantino

E que dizer da Grécia?!
Corrida, nas olimpíadas Gregas


Gregos nas olimpíadas

Em oposição bem clara imaginamos o que vimos acima: a leveza e o "quase lúdico" e sempre poético da Arte Grega.
Diferentes também nos nomes das coisas e das pessoas, como não podia deixar de ser. 


o Discóbolo de Míron
restos de um frontão do Templo de Zeus, em Olímpia

A origem dos nomes. O espírito dos nomes...

Em Roma, os nomes próprios são, na maioria dos casos, ligados às coisas da terra, aos bens materiais, a um certo pragmatismo.
imagem retirada da Livraria Lumière

Assim, Fabius era o homem das "favas", Ovidius viria inevitavelmente de “ovis” ovelha, e Lentulus das “lentilhas” (lens) e, claro, Porcius vem de “porco”. 
Já agora Laetus era o "gordo". (Virá dai o nosso “leitão”?)

Continuando...


 Plantus era o que tinha os “pés-chatos”  e Strabo era o “vesgo”. E Claudius era o "coxo", o que claudicava...

E as crianças, meu Deus? Que nomes tinham?

Bem, por vezes eram apenas chamados Secundus, Quintus, Sextus, Septimus, Octavus... 


Porque eram “numerados” à medida que nasciam, tal como hoje numeramos os nosso reis”, diz com certo humor J. Marouzeau.

Os romanos viam a “excelência” nos bens materiais daí que “optimus” se crie da palavra “ops” (riqueza). Outros nomes vinham da agricultura e, assim, temos   “Felix” (hoje, “feliz”) que vem de terreno “fértil”. 


"Desiderare" é "notar a ausência de um astro favorável"... E o termo “delirare”, hoje tão abstracto, veio da expressão “sair do rego” (lira)...

E “ Rivalis” – o rival de hoje- teria sido o proprietário da fonte ou das águas à beira-rio (rivus), disputadas pelos outros vizinhos...

Depois vêm as evoluções semânticas que vão mudar tudo, é certo...

Mais ainda:

Para os  romanos, o escritor era o “scriba” (que significava escriba, ou escrivão), "o que escreve", um mero redactor , ou "copiador", sem grande valor, para quem a poesia era coisa estranha. 
escriba acocorado (Egipto)

No latim, aliás, os substantivos masculinos terminados em “a” referem-se sempre  a funções “vis”.

E a poesia donde vem? Ah,  poesis e poeta vêm do grego e com eles, pois, a “poesia”...
Kouros

Também os nomes próprios têm outro espírito: referem-se a “glória”, “honra”, democracia, “poder”,  deuses.

Demóstenes

Por isso, Demóstenes quer dizer “a força do povo(demos) e Teodoros será  “dom de Deus” (Theos)...
o Imperador Theodoros

Que bela toda esta diversidade...

9 comentários:

  1. Sem muito rigor: nos gregos a teoria, nos romanos a prática.

    ResponderEliminar
  2. Interessantíssimo, como de costume.
    Achei uma maravilha aquela capa do album da Lumière.
    Sou fã do Astérix. O que eu me divertia a ler os livros.
    Um beijinho

    ResponderEliminar
  3. Gostei muito de tudo. Nunca aprendi latim e gostava de ter aprendido, até porque gosto muito de saber a origem das palavras. E achei curiosa esta distinção entre a língua e a mentalidade dos gregos e dos romanos. Bjs!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Foi pena porque creio que ia gostar - se tem essa curiosidade da origem das palavras. A mim tornou-me tudo mais fácil: até... não dar erros!
      E gostei muito mesmo. Tive 2 anos no Liceu e 3 na Faculdade, como opção...
      beijinho

      Eliminar
  4. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar
  5. Latim, sempre me lembra colégio de freiras ... rezava pra não ir pra um, deu certo e nunca fui. Pena que não aprendi latim também.

    bjs nossos

    ResponderEliminar
  6. As culturas grega e latina são apaixonantes, Esparta e Atenas, duas cidades com um desenvolvimento cultural incrível.
    Eu também tive 5 anos de Latim, e nenhum optativo! Menos mal que gostava muito, e também de grego, 2 anos no Liceu, suponho que tu também. Muito curiosa a origem dos nomes. Um cunhado meu chamava-se Octávio, "nome de imperadores", e afinal significa apenas o nº8 !
    Já estou aqui, nesta noite de jasmins, recobrando a normalidade, de que também gosto muito como tu.
    Um grande beijo

    ResponderEliminar
  7. As línguas são a porta de entrada para o conhecimento dos povos e das suas culturas. As mentalidades não são traduzíveis.


    ResponderEliminar