segunda-feira, 7 de abril de 2014

E tudo é feito de mudança....




Hoje pensei em Camões e na sua ideia da mudança. Para bom, para mau? Com o cepticismo dele, creio que para o poeta seria sempre mudança para o mau e, dele, para  pior.




Ora leiam o soneto:

"Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades,
muda-se o ser, muda-se a confiança:
todo o mundo é composto de mudança,
tomando sempre novas qualidades.

Continuamente vemos novidades,
diferentes em tudo da esperança:
do mal ficam as mágoas na lembrança
e do bem (se algum houve) as saudades.

O tempo cobre o chão de verde manto,
que já coberto foi de neve fria,
E em mim converte em choro o doce canto.

E afora este mudar-se cada dia,
Outra mudança faz de mor espanto,
Que não se muda já como soía."

Tudo é feito de mudança...
...

Mas hoje venho falar do mar! O poder, a força do mar... Os estragos que a violência das ondas, das correntes fazem. Da luta eterna do homem com o mar, das forças desiguais e da vontade do homem de nunca ser vencido...


E por que razão falo disto tudo hoje? Ah!, já explico...

 Porque fui ver a Praia Grande, onde muitas vezes costumava passear e agora -com os temporais deste longo Inverno- me desabituei de ir ver. E que era assim...

o areial sem fim, antes, na Praia Grande

ainda a Praia Grande, antes...

a praia, antes....

Voltei hoje: era outra praia! Parecia-me ter mudado de país! O areal vastíssimo que se  estendia do promontório, à esquerda da praia, até ao Hotel das Arribas na outra ponta extrema...bem: o areal não estava lá! 


E em vez da extensão de areia branca, que recordava, havia três praias pequeninas formadas por rochedos que nunca sonhei haver por aquelas bandas! 

mudança, na Praia Grande...






curiosos (ou estudiosos?)

O mar vem, devagarinho, rodear as rochas e retira-se, aparentemente calmo. As grandes ondas dos surfistas chegaram-se todas para um lado, receosas. 

A praia está toda mudada! Guarda a beleza, talvez ainda mais selvagem hoje, os remoinhos de espuma branca desfazem-se por perto. As pedras e pedregulhos, as fissuras nos rochedos que aparentavam tanta segurança há uns meses apenas...



"todo o mundo é composto de mudança,
tomando sempre novas qualidades..."




A praia desceu? Ou foi o mar que subiu? Os meus pontos de referência não estão lá! Quem mudou a minha praia??? 


Ah! A força do mar mudou a minha praia! E lá vem Camões outra vez! Os perigos do mar, os danos que as ondas causam, os barcos engolidos pelas vagas gigantescas, o monstrengo avistado! 


Sim, "No mar  tanta guerra, tanto dano/Tantas vezes a morte apercebida... O medo dos nautas, os pescadores sem barco, os náufragos, a morte sempre diante dos olhos .

Chegada dos Portugueses ao Japão: a nau Carrack

Os males que cercam o pobre bicho humano tão pequeno...


Diz o poeta dessa fragilidade do homem- e é tão bonito o que diz e como o diz:

"No mar,  tanta tormenta e tanto dano
Tantas vezes a morte apercebida
Na terra, tanta guerra, tanto engano
Tanta necessidade avorrecida!
Onde pode acolher-se o fraco humano
Onde terá segura a curta vida,
Que não se arme e se indigne o Céu sereno
Contra um bicho da terra tão pequeno?” 


Sim, onde estará a minha praia segura que não venha o céu e o mar tentar movê-la? 


5 comentários:

  1. Realmente está muito diferente! Muito menos areia. Dá alguma ideia de destruição.
    É estranho...
    O mar é muito poderoso.

    Gostei das fotos e apesar da diferença, gosto do mar e matei saudades...
    Tem tanta sorte em estar perto das "suas" praias!

    Um beijinho grande :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, será sempre belo o mar da Praia Grande! beijinho

      Eliminar
  2. Já não vou há muitos anos à Praia Grande mas notam-se algumas mudanças.

    Tudo voltará a reconstruir-se. Poderá passear e deleitar-se no azul do mar, ele continua azul e a maravilhar-nos.
    Gostei da arte Namban e dos malmequeres.
    Beijinho. :))

    ResponderEliminar
  3. Querida Maria João actualmente, já não existem "praias seguras". Tudo muda com uma velocidade...
    Até as verdadeiras praias já não são o que eram! Nós próprios, ontem éramos diferentes...
    Não deixa de ser assustador!

    Um beijinho.:))

    ResponderEliminar