segunda-feira, 16 de outubro de 2017

Um dia de anos com visita de um amigo



Hoje é o meu dia de anos. Lembro-me de tantos dias de anos passados mas quero falar desta noite. Tive um sonho misterioso e engraçado. Em geral nos sonhos nada tem muito sentido, há uma atmosfera de espanto ou curiosidade, mas desta vez houve, para mim, um sentido certíssimo.
Não sei onde andava exactamente nem o que se passava de facto. Muitas cores, muitos rostos confusos, muitas nuvens e de repente umas imagens nítidas: uns animaizinhos a saltarem à minha frente.

Vinham a correr, faziam uma cabriola elegante e desapareciam pelo lado. Talvez tenha pensado: são os carneirinhos que contamos para adormecer. Só que já era hora de acordar…
Eram grandes e chegavam quase até ao pé de mim e davam, então, o salto.
De repente, outro bichinho apareceu: outra cor, outro pelo, mas o mesmo salto – só que era um salto elegante desta vez. 
Uma duas, três vezes! Um cão de pelo castanho dourado! E pareceu-me que tinha um sorriso que lhe erguia um pouco os lábios, como ele costumava fazer.
Como podia ser ele? mas eu sabia que era! O Zac foi o meu amigo mais fiel, por todo o mundo onde vivemos. 
Em Itália, veio dos braços do Diogo que o encontrara na Giustiniana para os meus e ficou a tremer, assustado. Pu-lo em cima da cama e ele, com o pelo todo despenteado, e uns olhos doces, tinha um ar de Einstein. 
Os olhos dele eram os mesmos do meu sonho e um ligeiro sorriso levantava-lhe o lábio esquerdo.
Em África, ficava ao sol escaldante à minha espera na varanda ou no jardim quando eu ia às compras com a Day. Não o podia levar comigo porque fugia pela janela do jeep assim que parávamos em frente do mercado.
Então sentava-se à espera, à porta da casa, de focinho no ar, e ninguém o convencia a entrar ou a proteger-se do calor. Quando ouvia o jeep ao longe saltava e ia esperar-me ao portão. E saltava, saltava com pequenos ladridos como se me ralhasse.
Em Telavive, posso dizer que passávamos os dias juntos! Ou na rua, ou em casa, ou no café…nunca nos separávamos. Até ao dia em que partiu e foi dormir o sono eterno no quintal dos grandes amigos que lá tínhamos e que o conheciam bem.
Hoje, no sonho, depois daqueles três saltos o Zac desapareceu e acordei logo. Talvez quisesse ir atrás dele.
E eu que nunca me lembro do que sonho deste sonho especial não me esqueci!
Claro que pensei logo: era o Zac a vir dar-me os parabéns!
Tenho a certeza que era.



12 comentários:

  1. Muito bonito:)

    PARABÉNS! Seja feliz!

    Deixei-lhe um presentinho lá no meu blogue:)

    Um beijinho grande e especial, neste dia:)

    ResponderEliminar
  2. Sim... foi o Zac quem te visitou mais uns amigos do infinito...




    Sim, foi o Zac mais uns amigos que tevisitaram vindos do infinito...

    ResponderEliminar
  3. Querida Maria João,
    Memórias belas e comoventes!
    Sim, era o Zac de certeza!
    Não tive a sorte de o conhecer, mas da maneira ternurenta como o recorda, parece que o estou a ver a saltar e a sentir a cumplicidade que existia entre vocês...
    Um beijinho muito especial.:))

    ResponderEliminar
  4. E que Parabéns tão especiais
    Gostei muito deste texto - preciso de acreditar.
    Muitos Parabéns também aqui
    um beijinho
    Gábi

    ResponderEliminar
  5. Lindo sonho! Faz reviver um passado de amizade e carinho... gosto de sonhos assim. Bj

    ResponderEliminar
  6. memórias suaves e muito bem bordadas
    renda fina gostei de ler.

    abraço

    anuncio que reabri os comentários no blog que edito
    espero continuar a merecer a sua presença amiga

    ResponderEliminar
  7. ADOREI, Jana ! Que bom teres tido o teu Zac, que eu também cheguei a conhecer, que bom ele ter-te visitado nesse sonho!
    Um beijo terninho...

    ResponderEliminar
  8. Espero que esteja tudo a correr bem e esteja a ter dias felizes:)
    Um beijinho com saudades:)

    ResponderEliminar
  9. gostei muito

    exigência neste espaço. sempre

    abraço

    ResponderEliminar
  10. Parabéns! (apesar do atraso) Votos de muitas felicidades!

    ResponderEliminar
  11. muito agradável ler. serenidade e elegância.

    ResponderEliminar