quinta-feira, 8 de março de 2018

IRENE LISBOA E AS COISAS DA VIDAS




Há tanta coisa a descobrir nesta autora! Observações, apontamentos sobre coisas tão variadas como assuntos do dia a dia a pensamentos, reflexões sobre literatura e crítica, a condição das mulheres-escritoras, atitudes, ou a diferença dos mundos.
O mundo da cidade e o do campo, por exemplo. As gentes e a miséria que encontrou nas aldeias iguala a das gentes simples dos bairros populares de Lisboa, das ruas com as suas vendedeiras e seus pregões.
Toulouse-Lautrec, Café e solidão...

Ou os cafés onde se esconde a solidão não passam de fragmentos de vida, vivos, com as suas cores desmaiadas ou gritantes, quase agressivas mesmo, mais sentidas do que pensadas. 
O seu olhar mergulha na vida, atento ao sofrimento do outro, às injustiças, aos sentimentos de injustiça, com o seu "recolhimento quase furtivo", a descortinar a humanidade de cada um, na sua desgraça, na sua pobreza ou na sua ambição, desalento ou esperança. 
De si revela muito. Até a pena de não ver  a sua obra apreciada. Um dia alguém lhe diz que apreciava a sua obra e sentir esse respeito faz-lhe bem.
“Este homem que saiu daqui disse-me de cara a cara mas amavelmente que eu procurava o ‘inefável’ no quotidiano, e que tinha a mística…
Será que o entendi? Que tinha a mística do que sensivelmente me agita: que exploro as coisas com um recolhimento profundo. Ele respeitava-me dando-me a entender tudo isto.”
As suas palavras soltas, livres, são lançadas como pedradas tantas vezes, sempre inteira na procura do tal ‘inefável no quotidiano’. A ver as pequenas coisas que os outros não vêem, absorvidos como estão nas suas próprias “vidinhas”, fechados ao que os rodeia. 

Preocupada com a miséria da vida das mulheres, da dificuldade de chegar ao fim do mês quando nada se tem e se vive -sobrevive!-de subterfúgios, dum quartinho alugado a outro desgraçado que lhe garante a comida do dia a dia.
Conhece a marginalização da mulher em todos os campos e classes sociais ou mesmo entre os intelectuais. Sabia defendê-las quando era necessário, muitas vezes em tom sarcástico e irónico como no texto em que fala das mulheres escritoras.
Dizia Irene que a palavra tinha poderes ocultos e a sua força era infinita. Os textos sobre Lisboa impressionam-nos pela capacidade de compreensão, empatia, com os seres mais frágeis, mais desprotegidos pela sorte – que ela encontra no seu dia-a-dia. 

Por curiosidade conto uma coisa engraçada: estava eu a escrever sobre Irene Lisboa e a cidade de Lisboa e descobri aqui em casa um livro maravilhoso do pintor Carlos Botelho que nem me recordava de ter. Descobrir a cidade de que ela fala, com as cores de Botelho é muito bom para mim.


Vejo-a vaguear por aquelas ruas, devagar, contemplativa, ou agitada, nervosa – a compreender os os habitantes dos sítios por onde passa , com a sensibilidade delicada à flor da pele que é a sua - e que é infinita.
Carlos Botelho

Vai falando consigo : “Eu penso que podia fazer alguma coisa…E não eu! Não é bem em mim que penso porque eu sou passageira e ínfima. Penso que alguma coisa se podia e devia fazer…”

Instantes da realidade diária que a tocam e nos tocam. A história do burrinho coxo que vai a arrastar a perna,  mancando, enquanto puxa a carroça que a dona trouxe à cidade carregada de fruta, couves e verduras – é patética! 
Condói-se com o sofrimento do burrinho e a aflição dessa pobre “mulher esgrouviada que dizia mal à sua vida” que explica, com vergonha, que não tem dinheiro para o levar ao veterinário. O grupo que se formou à volta da mulher agita-se e tem opiniões: os comentários de apoio ou de crítica são agressivos.
Carlos Botelho

Recordo a história do menino que vendia limões e que, a fugir do policia, vai parar debaixo do eléctrico.
Ou a mulher que ela encontra, certa manhã, às vassoiradas no passeio, enquanto um magote de gente tenta perceber o que aconteceu. Ela grita e bate com a vassoira. Afinal era apenas um rabo de lagartixa que se contorcia.
Carlos Botelho

Tantas e tantas histórias que se passam nos seus livros. Contadas apenas, deixando ao leitor a sua liberdade de ouvir, reflectir também.

Nela há sempre a urgência de fazer alguma coisa. Sente no entanto a fragilidade da sua pessoa. O mundo é vário e o seu poder é pouco. Mas ela não desiste.
Van Gogh, Olival e nuvens
Cada lugar em que se vive exerce sobre nós a sua influência, e não há que lhe fugir. É sempre reconhecível. Só a monotonia e a permanência nos podem enganar, cegar, tirar-lhes o poder de sensibilidade.” Por isso, para ela, a chuva é diferente não campo e na cidade.
O mistério das nuvens carregadas de chuva, manchas negras num campo aberto até ao horizonte – de onde começam a mover-se e é assustador.
“No campo a chuva passa às ondas, num movimento, baixas e baças. Entristece e parece misteriosa”, escreve.
Não se compara à chuva que vemos na cidade “num ambiente doméstico de conforto.” No calor da casa, ou nas ruas com gente e movimento, companhia. 
O único modo de fazer algo pelo seu semelhante, creio, é o olhar que lança sobre o ser humano, seja no campo, seja na cidade, a descortinar os sofrimentos, os problemas que vive no dia a dia e a escrever. Felizmente, há a palavra!

É urgente ouvir  sua palavra. Ler o que escreveu. Saber que há estudos, teses sobre Irene Lisboa, de jovens e menos jovens que se interessam pelas suas preocupações éticas.

Lembro o trabalho importante que realizou a Professora Paula Morão (1), quer pela organização dessa primeira Antologia de textos de Irene Lisboa (2), quer pela tese de Doutoramento a ela dedicada, intitulada “Irene Lisboa Vida e Escrita” quer pela continuação do seu interesse  por ela. 

O que a leva a interessar-se pela reedição das obras da autora. Em 1994, prefacia a reedição de “Voltar atrás para quê?”, que sai na Editora Presença – livro cuja primeira edição é de 1940.
De assinalar, porém, que é em 1973 que sai a primeira reedição de "Voltar atrás para quê?", saído, em 1973, na colecção Unibolso (Lisboa Editores Associados). E que, nessa altura, vendeu mais de 15.000 exemplares!
Paula Morão interessou-se também pela criação da Casa-Museu Irene Lisboa na terra da autora, na Arruda dos Vinhos. Museu onde se realizam exposições, conferências e onde existem originais da escritora.
Quero referir também a recente tese de Mestrado, defendida em 2017 por Sara Barbosa, professora do ensino secundário –  minha amiga e apaixonada pela escritora.

Todas estas publicações são muito relevantes para o conhecimento desta personalidade da nossa Literatura ainda desconhecida para o grande público.
Irene Lisboa

(1)Paula Morão nasceu em 1951. É Professora Catedrática do departamento de Literaturas Românicas da Faculdade de Letras de Lisboa.
(2)Esta “antologia”, organizada, prefaciada e anotada por P.M. (“ensaio preparado em Paris de Janeiro a Julho de 1983) intitula-se “Folhas Soltas da Seara Nova” e reúne escritos variadíssimos da autora, publicados na revista Seara Nova de 1929 a 1955. Saiu na Imprensa Nacional Casa da Moeda, biblioteca  de Autores Portugueses, em 1986.

7 comentários:

  1. Bonito e elaborado texto, tenho a certeza que Irene Lisboa merece toda a atenção que lhe dedicas. A mim acontece-me como a Javier Marías, que "já não tem idade de estar ao corrente", mas sempre é agradável saber mais de alguém que vale a pena. Para isso te tenho a ti, pessoa culta, viajada e com uma vida interessante, e por isso somos amigas há já uns anitos...
    Beijinho

    ResponderEliminar
  2. Querida María! não exageremos...é só uma questão de amor...Bom finde!

    ResponderEliminar
  3. Gosto da Irene Lisboa e do que li dela, que não foi muito. Já tenho ali mais uns livros para ler.
    Também gostei das pinturas que escolheu. gosto da pintura de Carlos Botelho.

    Beijinhos e um bom domingo.

    ResponderEliminar
  4. Obrigada, Isabel, fiel leitora, por teres a paciência de pôr novo comentário neste post: o outro estava todo truncado...coisas da internet e dos blogues....Bom domingo!

    ResponderEliminar
  5. Gostei muito deste post, vou procurar encontrar livros de Irene Lisboa e descobrir a sua obra

    ResponderEliminar
  6. Gostei de conhecer Irene Lisboa. Interessante e bem construído post.
    Maria, deixo o meu agradecimento pela oportunidade de aprender, por textos tão interessantes e assuntos oportunos. Muitas reflexões por aqui, sempre!
    Um beijinho, forte abraço e desejando uma feliz primavera. Cá será outono, a minha estação preferida.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Querida Maria da Glória, obrigada por tanto comentário no meu blog! Parecia uma invasão "aliena"!
      Obrigada. Quis agradecer, mas não consegui entrar no seu "Fare la scarpetta" para deixar uma saudação. Um beijo e obrigada. Já cozinhei muitas das suas"paste"italianas...

      Eliminar