quinta-feira, 17 de maio de 2012

Claude Debussy, o esteta que amava a pintura do mesmo modo que a música...


Claude Debussy, por Marcel Bachet, 1884

Claude Debussy amava as imagens...


Hoje falo-vos da Exposição: "Claude Debussy, la musique et les arts".

Refiro-me à Exposição que vai estar patente em Paris, no Musée de l’ Orangerie, Jardin des Tuilleries, (em parceria com o Musée d'Orsay), até 19 de Junho, comemorando os 150 anos do nascimento do grande músico, Claude Debussy.

Claude Debussy nasce em 1862, em Saint-Germain-en-Laye, e morre de cancro em 25 de Março de 1918, em Paris.


Compositor romântico? Melhor, impressionista


Os românticos usaram formas de música mais longas como as “sinfonias” ou o “concerto”. Os impressionistas inclinavam-se para as formas mais curtas como o nocturno, o arabesco, ou o prelúdio.

De facto, o impressionismo musical está ligado aos nomes de Debussy e de Maurice Ravel, considerados os dois "impressionistas" mais famosos. 


No entanto Debussy dizia da sua arte: “tento fazer algo diferente –de certo modo a realidade-  eo que os imbecis chamam impressionismo é um termo que tão pobremente usado quanto possível, em especial pelos críticos de arte.” (wikipedia)


Porque achava que isso era apenas uma "redução"...

Hiroshige, Sakura Mont Fugi

Debussy amava as artes plásticas. Desde jovem, que se interessara pelo “japonismo” em voga no Paris do seu tempo (anos 1870).

Em Roma, jovem pensionário da Villa Médici, Academia de Artes Francesa,  Debussy corre os antiquários à procura de minúsculos objectos de arte japonesa que o maravilhavam.
Claude Lorrain, Villa Medici, vista do porto

Claude Debussy, frente à Villa Medici (1885)

“Mas ia até aos quadros mais radicais da escola contemporânea”.


Refere o catálogo (http://www.evous.fr/PREMIERS-JOURS-Debussy-la-musique-et-les-arts-au-musee-de-l-Orangerie,1169843):

"Debussy era particularmente sensível às obras de Degas, mas também de Renoir e Gauguin, às de Rodin, mas também de Camille Claudel, Odile Redon, de Bonnard, de Puvis de Chavannes, e admirava sinceramente os seus autores”.
Dana, ou a verdade a sair do poço: Camille Claudel ou Rodin?
Odilon Redon, Ofelia (1905)
Pierre Puvis de Chavannes

Ao contrário do que muitos pensam sobre a aproximação do músico aos pintores ditos  impressionistas, os organizadores da Exposição defendem que  Debussy (apesar de se sentir bem quando o aproximavam de Monet) preferia o Simbolismo.

Fora na poesia do Simbolismo que se inspirara: Mallarmé, Baudelaire eram os poetas que admirava. Puvis de Chavannes e Odilon Redon, os pintores de quem era amigo.

Claude Monnet, "Tempestade ao lardo de Belle-Iles"

Uma das pinturas de referência apresentadas na Orangerie, é o quadro de Claude Monet “Tempête - côtes de Belle-Ile”, de 1886.

Paul Cézanne, Cabanon ( a última pintura de Cézanne)

O teórico de musicologia alemã, Adorno, diz que “a seca clareza da música de Debussy se aparenta mais a Cézanne do que a Monet”.

Um dos seus pintores preferidos era Manet e outro o japonês HoKusai e o quadro “Sous la grande vague à Kanagawa" (1830-33).
Hokusia, "Vaga ao largo de Kanawaga"


Mas o seu interesse pelas artes abrangia outros pintores:
"Debussy era particularmente sensível às obras de Degas, mas também de Renoir e Gauguin, às de Rodin, mas também de Camille Claudel, Odile Redon, de Bonnard, de Puvis de Chavannes, e admirava sinceramente os seus autores” ( in site da Exposição).

O articulista do jornal Le Monde (em que me apoiei) refere alguns quadros que interessaram muito Debussy. 


Edward Munch, "Noite Estrelada"

Por exemplo “Nuit étoilée (1901)”, de Edward Munch . 
Henri Cross, "Les Iles d'Or"


Ou "Les Iles d’or”, de Henri-Edmond Cross.

Turner, barco e fumo

Mas Debussy apreciava muitíssimo a pintura dos ingleses, Turner (*) e Whistler, por exemplo. 

Este último,encontra-o no círculo do poeta Mallarmé.

James Whistler

Chamavam, por vezes, a Debussy o "Whistler musical", o que não o incomodava nada.

Na Exposição segue-se um percurso completo das modalidades de percepção deste olhar que sabia escutar e  desse ouvido visionário”, continua o articulista do Monde.

Sim, leram bem: o olhar que ouve, o ouvido que . Sinestesias? E por que não? No fundo Debussy apreciava os poetas simbolistas...

Segundo Renaud Machert (in Le Monde, de 15 de Maio), "nunca perdeu aquilo que tanto apreciava e que torna o seu génio sempre fascinante: o mistério”.
Turner, Abadia de Westminster
Vão procurar esse mistério! Nos sons e nas imagens que o músico preferia...
 (*) Turner, John Mallord William, pintor britânico (1775-1851).

(**) James Abbott McNeill Whistler - nascido na América em 1834, mas estabelecido em Inglaterra muito cedo, morre em 1903 e é contemporâneo de Claude.


Música de Debussy


Prelude à l’après-midi d’un faune:





Arabesque nº 1:





Clair de lune



Para terminar, já agora, ouçam o compositor Maurice Ravel e a maravilhosa “Pavana para uma Infanta Defunta”:


12 comentários:

  1. Sorte de quem pode ver a exposição.
    Gostei muito do post. Estive a ouvir duas das músicas, "Claire de Lune" e "Arabesque nº1". Gosto, é música calma. Acho que já aqui ouvi Debussy no seu blogue, não? Não sei...

    Há pouco tempo comprei uns livrinhos acessíveis, na Bertrand e um deles é sobre arte chinesa e japonesa. Tem algumas pinturas de que gostei muito. Não sei se tem algum dos pintores que aqui colocou, vou ver. Gostei muito do mar de Hokusia.

    Boa noite
    Um beijinho

    ResponderEliminar
  2. Obrigada, Isabel, minha fiel leitora e amiga! Um beijinhos para ti!
    Essa pintura do Hokusai já a tinha posto, quando foi do tsunami no Japão...E O Debussy também, porque gosto muito dele.

    ResponderEliminar
  3. Maravilhoso post!Parabéns! Como artista plástica sempre admirei os impressionistas,como Renoir e Degas,e como musicista(amadora,é claro),adoro os noturnos de Chopin,os prelúdios de Debussy e toda a obra de Maurice Ravel!Por teres nos ofertado instantes de rara beleza e prazer estético,que fazem parte das dimensões mais puras da Alma,eu lhe fico muito grata,querida amiga.Beijos perfumados daqui do outro lado do Atlântico,bem no extremo sul do Brasil!

    ResponderEliminar
  4. Cezarina, muito obrigada! Fico contente por teres gostado. Tu és uma poetiza também...
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  5. Respostas
    1. Eu sei, eu sei... Mil beijinhos e bom fim de semana!|

      Eliminar
  6. Quanta beleza junta, entra calma e respira-se melhor. Imagino a tua satisfação quando estás a organizar um post como este, apesar do trabalho e tempo que te deve custar. Tanta coisa bonita compensa, aprecio muito o que fazes, eu não era capaz de ser tão organizada, ao mesmo tempo que tão culta e sensível, claro.
    Hoje sinto-me um pouco triste, deve ser do dia que amanheceu cinzento.
    Beijos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Até tens razão! Dá-me um trabalhão, mas é uma alegria descobrir coisas novas! Sou organizada (?) na desorganização. Devias ver o sofá onde escrevo...para não falar já do que eu decidi ser o meu studio (!): só tralha|
      Beijinhos

      Eliminar
  7. MJ,
    Uma postagem belíssima nas escolhas das pinturas e das músicas.
    Gosto muito de Debussy.
    Beijinho e bom fim-de-semana!
    Também gostei das músicas para o fim-de-semana. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Ana, fico contente! Bom week end de repouso (espero!) e um beijo

      Eliminar
  8. Gostei muito do post e gostaria de ver a exposição. Bom fim-de-semana!

    ResponderEliminar
  9. Que post lindissimo, Maria Joao!
    E os meus parabens pelo destaque no blogue Delito de Opiniao!
    Beijinhos! :-)

    ResponderEliminar