sexta-feira, 16 de agosto de 2013

UM AÇOR NOS AÇORES?



este é o açor verdadeiro, o pássaro que voa rápido, o accipiter gentilis!


 Pois é, também eu julgava, mas parece que não havia nenhum açor, nos Açores.

esta é a ave que os navegadoras avistaram...

Surpresa para nós, claro, mas a verdade é que os navegadores ao chegarem aos Açores tiveram a “impressão” de ver voar um açor, que o não era.

´
era a águia de asa redonda ou "Buteo Rothschildi"


Teria sido, sim, uma águia de asa redonda – como me ensinaram, em Ponta Delgada-, chamada  Buteo Rothschildi, ou, mais vulgarmente, “milhafre queimado”.



Estranho esse engano pois em Portugal, desde a invasão dos berberes que chegaram ao Al-Andalous, existia a arte da falcoaria (*), a caça com falcões, açores e francelhos - aves de falcoaria. Ora havia entre os navegadores gente da nobreza que não deveria confundir nunca um açor com uma águia de asa redonda. 

o falcão: aqui o falco eleonorae

Todas são rapaces, aves de rapina diurna que caçam outros animais, ou apenas pássaros (essas chamadas ornitófagas) - mas com suas diferenças....

No entanto, enganaram-se...e, por isso, o açor e a imagem do açor, continuou ligada aos Açores e está na sua bandeira.


Pássaros há muitos pelas ilhas que eu vi! 

Na Graciosa, ouvia-os pela manhã a cantar, em cima da araucária que dominava a praça onde ficava o nosso poiso, a simpática Residencial Santa Cruz, ou no Largo cheio de árvores e passarinhos.





Depois, vi-os por aqui e por ali... Ou adivinhei-os?

Lindo é o priolo (nome científico pyrrhula pyrrhula), com as suas cores suaves. É uma ave endémica nos Açores, desde o século XVII,  e que, no século XIX, sofreu alguma “perseguição” durante o chamado “ciclo da laranja”.

o priolo

Tempos áureos esses em que,  nas ilhas, se produziam laranjas para toda a Europa e em especial para a Inglaterra, ciosa da sua “orange marmalade”!

O pobre do priolo era um passarinho que tinha bom gosto e apreciava a flor de laranjeira, competindo com a produção e a exportação da fruta...

Hoje creio que o priolo voltou a viver sossegado!

o cagarro, ou cory, é um pássaro em vias de extinção

Outro pássaro que existe por lá é o cagarro. Sendo, como é, uma espécie em vias de extinção, há grandes cartazes pelos aeroportos, visando a informação de quem passa e tentando assegurar a sua protecção!


Gaivotas vi-as na Terceira, voando sobre o porto acima dos mastros dos barcos. 


E na Graciosa vi-as outra vez - ou não houvesse o Ilhéu da Gaivota mesmo ali em frente!

E que mais? Pássaros, passarinhos e passarões... 

Já agora, homenageando, de passagem, o filme de Pasolini "Ucellini e Ucellacci" (1966) que não fala do açor mas de outras maravilhas da vida...

Tótó e Ninetto Davoli

E fala do fradinho franciscano (Tótó, numa interpretação inesquecível!) que São Francisco mandou evangelizar os falcões e os pardais e fazê-los entenderem-se. E que se põe a saltitar para poder entender e conversar com os passarinhos... 


o pardal, ou passer domesticus... E a doçura de Pasolini.

E com os passarões, claro.

o falcão, aqui o "brown falcon"

(*) A falcoaria, ou cetraria, como sabem é a arte de criar, treinar e caçar com falcões ou outras rapaces como o açor ou o francelho. Existiu na àsia desde o século I. No Japão chamava-se “takagari” e, como na Europa, era a caça dos “senhores”, ou dos samurais, a classe feudal.  


http://pt.wikipedia.org/wiki/A%C3%A7or

(As imagens dos falcões e dos açores ou das águias de asas redondas foram retiradas da internet. E são lindas!)

6 comentários:

  1. são muito lindas, sim!
    E lindo é todo o post que gostei muito de ler!

    Quando aqui chego e vejo aquela foto magnífica deste mar, a vontade que dá é "saltar cá de cima" e mergulhar nesse mar maravilhoso.

    Depois as flores delicadas, acalmam esta euforia do azul!

    Um beijinho e obrigada por tão lindos post. :)

    ResponderEliminar
  2. Eu também tenho vontade de mergulhar! E fico com pena de não me ter decidido a tomar lá um banho!
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  3. Este comentário foi removido por um gestor do blogue.

    ResponderEliminar
  4. Partilho da mesma opinião da Isabel, a magnífica fotografia com que somos brindados mal aqui chegamos, é convidativa a um mergulho... mas temos de ter cuidado para não dar com a cabelça no monitor...:)))
    É fantástica!!
    Mais um magnífico post!

    Um beijinho e bom fds.:))

    ResponderEliminar
  5. Maria João,
    Adorei rever a história do Açor. Adorei as fotografias e tenho saudades daquele mar e das gentes. :))
    Beijinho.

    ResponderEliminar
  6. Pois! quanto aos açores, sugiro uma "busca teimosa" pelo uso destas aves, pelos pilotos, para a localização das terras a descobrir.

    ResponderEliminar