segunda-feira, 11 de junho de 2018

Memórias: “O Caderno de Capa Preta”, de Leonel da Cunha


Acabei de ler hoje um livro que fala das memórias de uma vida passada, de “um viver já vivido”. E gostei de o ler.
É disso que trata – e muito bem -  o autor: recuperar a vida vivida e nunca esquecida, “arrumada” sabe-se lá onde nem como, na nossa memória. Guardada, segundo o narrador, num pequeno caderno de capa preta, perdido e reencontrado.
A história é contada na primeira pessoa: o narrador é o que já “viveu” as memórias, noutros tempos, e é igualmente Daniel, a personagem principal, a criança, o adolescente e o jovem que ele foi que as “está a viver” no passado.
Esse debruçar-se do narrador sobre a vida passada como se a estivesse a ver “passar”, na distância, longínqua no tempo e, no entanto, tão perto do coração, torna o livro muito vivo, cheio do colorido da memória revisitada.
O leitor pode acompanhar essa viagem e observar a vida vivida de um mundo de província, na vila de Vendas Novas, onde apesar de não ter nascido lá, ali viveu “dois terços da vida”. A vila ressuscita aos nosso olhos, porque nós nos debruçamos também a “presenciar” através dos olhos do autor essas “vivências.
Daniel pequenito a entrar para a escola, adolescente e jovem, acompanhado pelo olhar terno e observador, com um sorriso por vezes amargo. O primeiro amor, a desilusão. Ela, Ana Lúcia, que casa com outro. Medo? Hesitação?  Desconfiança? A verdade é que fica um sabor amargo de frustração quando volta à terra passados uns anos e vê, por acaso, o casamento dela.
Outras cenas revisitadas são divertidas: os hábitos (simples) da vila, as férias que consistiam muitas vezes em ir até à ribeira passar um dia com os vizinhos, na carroça do espanhol. E a aventura “ribeirada” que, como diz, era “a praia dos pobres”.

E é como uma pintura essa lembrança: a água da ribeira, o pego onde estendem as redes, o mergulho a pescar os peixes grandes que estavam lá no fundo. E o vizinho, o Sr. Pereira, a chegar com dois peixes em cada mão e um na boca!
Depois, a história de Don António que viera fugido de Espanha nos tempos da guerra civil e arranjara uns cavalos e uma carroça e fazia os transportes na vila, as mudanças.
Ainda as recordações da Feira do Gado, em Setembro, que era a preferida de Daniel.
A importância dos Bombeiros Voluntários para organizar bailes, festas.
Depois vem Lisboa, a Universidade, um mundo novo, os amigos, os desencontros e desencontros, a descoberta da política. O regresso a Vendas Novas: as reuniões na oficina do Armando, as expectativas, as desilusões. As esperanças.
Memórias, René Magritte
Tudo contado num tom em que as aventuras que o narrador conta – e os seus apartes que vão explicando, juntando explicações, apresentando os que vão aparecendo.
Confesso que até foi uma leitura divertida! Que aconselho vivamente.
Leonel Cunha nasceu em 17 de Novembro de 1935, em Lisboa. “Contudo passei dois terços da minha vida em Vendas Novas.”
Daí, a necessidade de redescobrir esse mundo perdido. E “salvá-lo” do esquecimento.

Publicado pela Edições Colibri (Dezembro, 2017) é já o segundo livro do autor. As duas obras debruçam-se sobre a vida na vila de Vendas Novas: “Vendas Novas das Passagens e dos Passantes – Cenas de uma Vila Tranquila” saiu em 2016, também na Edições Colibri.

1 comentário:

  1. Parece ser interessante!

    A Maria João consegue ler muito. Eu tenho lido tão pouco...Como eu gostava de estar aposentada!

    Beijinhos e uma boa semana:)

    ResponderEliminar