domingo, 2 de setembro de 2012

O Ratinho Poeta e o fim das férias...



 Impaciente, andava pela sala.
- Aqui nunca acontece nada! Uma pessoa aborrece-se de morte!
Era o Ratinho a protestar. Atrás dele, vem o Ouricinho dar-lhe razão:
- Vamos ver se o Diogo nos leva ao Guincho!

Pavoneava-se com o fato de banho novo, muito orgulhoso. Desde que tinham ido à piscina, não largava os calções.
O Ratinho esticou as alças do fato e o cinto negro, pouco convencido.
- Ao Guincho? Dizem que está lá um vento ciclónico...
- Exageros, Ratinho Poeta! Ainda lá passei ontem e havia imensa gente na praia.
- Surfistas, não? Que loucura! Essa gente é louca! Com aquelas ondas!
Abanou a cabeça, descontente, e continuou:
- E montanhas de gente ao sol,  de certeza...
Percebi que não gosta de ondas, nem de vento nem de confusões...
-  Olha que nem por isso...
Foram sentar-se na mesa da entrada a ver se o Diogo os levava. Mas o Diogo entrava e saía e nem reparava que estavam à espera.
Passado um bocado, o Ratinho disse, num tom peremptório:
- Vou tirar esta vestimenta ridícula! Não é o meu género. E, depois, nem quero ir à praia! Não me interessa.

E tirou os calções de banho.
- Ah!  Agora sinto-me bem! Sou eu outra vez!
O Ouricinho olhava para ele, crítico.
- Nunca está contente com nada. É um insatisfeito, não achas?
- Talvez...
No fudo percebia-o, os calções dele eram muito feios.
- Eu cá continuo com os meus calções. Gosto deste ar desportivo.
Irónico, disse logo o Ratinho:
- Só te falta o chapeuzinho de parolo e estás pronto para ir correr para o pontão...
E riu-se, riu-se às gargalhadinhas, tapando a boca com a mão. Vi que já estava contente.
O Ouricinho deitou-se ao pé da janela, a pensar: estava triste.  Mas como tem muito bom feitio, levantou-se  logo como se não fosse  nada. Voltou à conversa, teimoso.

- Ora, eu quero lá saber. Gosto e, se me sinto bem, por que hei-de mudar? É prático...
Mas continuou no seu protesto:
- E deitas fora os calções? Um pano tão bonito! Porque não os dás ao Ambrósio?
O Ratinho abanou a cabeça, como se pensasse “ai, o que se há-de fazer a este ouricinho?” e respondeu, com ternura:
- Não vês que não lhe servem?
- E tu não sabes que se deve reciclar tudo no mundo de hoje? Não chega de lixo? Até a roupa se deve reciclar. E os livros! Voltar a oferecê-los para poderem ter uma segunda vida...
Tinha um ar preocupado o nosso Dany. Eu ouvia-os, sem me meter na conversa. O Ouricinho não desistia daquela ideia.
- E à gatinha japonesa não servem?  A ela serviam bem, é magrinha.
Sem darmos por isso, lá estava ela, a silenciosa gatinha japonesa, de mala na mão.
- A mim?, indignou-se. Uns calções desses?! Pareces parvo! Eu só uso quimonos!
O ouricinho insistiu:
- E uma malinha nova, não achas bem?
Ela olhou, hesitante. A gatinha gostava muito de malinhas de mão.
- Ah!, isso está bem...
E o Ouricinho  e a gatinha olhavam os dois para mim, à espera.
- Está bem, com certeza que te faço uma malinha...
Cena de regozijo com o Ouricinho e a gatinha japonesa a dançar.
Depois, o Ouricinho foi a saltitar para o pé do macaco Ambrósio, que estava encostado à janela a ouvir a cena toda...

O Ratinho encolheu os ombros.
- Crianças, murmurou. Crianças mimadas...
E continuou a falar disto e daquilo. Gostávamos muito de falar os dois, como pessoas “crescidas”...
Queixou-se “da atmosfera de  fim de férias” – palavras suas.
- Isto não foram férias...
- Ratinho, não sejas tão insatisfeito. A vida é bela! Tens férias todo o ano!
Olhou para mim, com a sua ironia doce. Sorriu quando disse:
- Eu  sei!  Só faltava que não soubesse que a vida é bela! Sei que tenho muita sorte. Mas tenho este feitio... Olha, já tenho saudades do Inverno e das brincadeiras com o Dany!

- Não faz mal! Eu gosto do teu feitio. A mim também me apetece rabujar às vezes!
- Oh! Mas tu tens um bom feitio... Óptimo! E tanta paciência! Até para o Manuel...
Sorriu-me, quase com condescendência. Será que também o contava no número das crianças mimadas?
Sorri-lhe. Enternecia-me o Ratinho Poeta. Fomos espreitar os outros amigos.
O Ouricinho estava deitado no chão como se estivesse na praia, ao lado do macaco Ambrósio. Estranhei que não estivesse mesmo de óculos escuros debaixo de um guarda-sol...
- Estás a vê-lo? Pronto para o pontão, mais o Ambrósio! É uma criança autêntica...
- Ó, Ratinho, não sejas maldoso...
Respondeu-me com um grande sorriso...

8 comentários:

  1. Começo a ler e começo logo a rir. Estes bichinhos encantam.

    O Ratinho Poeta é único! Quando lhe dá para a nostalgia é deixá-lo. Mas, aqui para nós, dou-lhe razão quanto às confusões e multidões...é melhor o sossego.

    Tenho pena que ele tenha abandonado os calções, mas se estava na hora...tinha que ser! E deram uma bela malinha para a gatinha Japonesa, que me parece que vai ficar muito vaidosita!

    Adoro estas aventuras deliciosas destes bonequinhos independentes.

    A foto do ouricinho triste, ali deitado, é uma ternura. E os dois a fazer o pino, também é giríssima.

    Enfim, sou uma fã assumidíssima destes bonequinhos!
    Adoro-os!

    Bom domingo para todos!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eles adoram os teus comentários... E eu também, claro.

      Eliminar
  2. E para quando um livro com estas histórias???
    Gosto do ratinho poeta, do ouricinho, mas a gatinha japonesa faz o meu género, eheh.
    Lindas histórias e as fotos são maravilhosas.
    Ah e também quero uma mala igual à da gatinha! eheh
    Beijinhos meu Belo Falcão Lunar

    ResponderEliminar
  3. Já perdi a capacidade de assombro com as fotos que fazes aos teus bonequinhos, o que mais me diverte é imaginar-te a fazê-las, a pôr-lhes os calções ou o laço ao pescoço antes de fazer o pino...
    Os diálogos não avançam, espero alguma bomba de relojeria, talvez dessa japonesa tão calada, ( normalmente a sabedoria sai dos mais calados...)
    Estou esperando que me surpreendas.
    Besos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Surpresas são mais difíceis... Vamos ver se a japonesa arranca! Eles são muito "politicamente correctos"... beijinhos

      Eliminar
  4. Tristes os nossos amigos com a inactividade, querem é passear, apanhar sol, ver gente,...mas mais do que tudo isso, querem é atenção!! Ou melhor ainda, querem ser o centro das atenções!! Vestem calções, tiram calções, colocam óculos, tiram óculos, agora já nem tomates têm para apanhar!
    MJ, podia enviá-los para uma colónia de férias!... Ha, ha, ha!!
    Ou numa excursão até ao Porto, por exemplo!
    O importante é que formam uma família feliz.
    Um beijinho para todos e até ao próximo episódio que espero seja em breve!:))

    ResponderEliminar
  5. Estes bichinhos deliciam-me! E fazem tão boa companhia...
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  6. Ontem já passei por aqui, mas sem comentar.
    Gosto muito destes posts com o ratinho, o ouricinho e companhia :)
    um beijinho
    Gábi

    ResponderEliminar