quarta-feira, 19 de setembro de 2012

Espelho mágico, quem é a mais bela do Reino?




Penso em Simone Signoret...

Tão especial, tão diferente o seu tipo de beleza. Actriz capaz de todos os papéis, porque inteligente e sensível.

E bela! Porque inteligente é ainda mais bela. Há muitas teorias. Há burras que também são belas. E depois, que importa?

Chamava-se Simone Henriette Charlotte Kaminker e nasceu na Alemanha Wiesbaden, em 25 de Março de 1921. Morreu na Normandia, em 30 de Setembro de 1985.


O que diz a sua biografia?... 

Era filha de pai judeu, francês, intérprete pioneiro naqueles tempos que trabalhou na Liga das Nações. Tendo fugido da Alemanha, refugia-se com a família em França. 
Pai judeu de ascendência polaca, pois, e mãe francesa católica. 
Viveram em Neuilly-sur-Seine.

Simone Signoret cresceu no ambiente dos intelectuais da Paris moderna dos anos 30 e 40, e estudou línguas, sobretudo inglês e latim, tirando uma licenciatura e ensinando alguns anos. 

Trabalhou ao mesmo tempo como dactilógrafa.

Da vida de actriz, sabemos todos um pouco mais.


Dos filmes que lembro, recordo a sua beleza, os olhos profundos e inteligentes:  "Les visiteurs du soir", de Marcel Carné (1942); "Le voyageur de la Toussaint" (1943, de Louis Daquin, tirado de Georges Simenon), com Jean Desailly e Serge Reggiani, onde ela passa de corrida.
Ou, depois,  "La boite aux rêves", de Yves Allégret (1945); “Macadam”, 1946, de Marcel Libènes; “Dédé d’Anvers”, de Yves Allégret (1947); o maravilhoso “Casque d’or”, de Jacques Becker (1951); “Les diaboliques”, de Henri-Georges Clouzot (1954).

Um dia começou a ser conhecida - talvez com o filme do grande Marcel Carné,  e continuou com Dédé d'Anvers, ou Casque d'or e por aí fora. Não era só bonita: era uma actriz muito boa e sabia dar vida a qualquer figura.



Em 1960, ganhou o Oscar da melhor actriz num filme do americano Jack Clayton, "Room At the Top".


Casou uma vez, duas vezes, três vezes. Não importa com quem. Ela é que era importante. 

Fez filmes inesquecíveis: ela era a figura da "resistência" francesa, a lutadora, a mulher forte. Ela, forte?
Escreveu um livro de memórias: La nostalgie n'est plus ce qu'elle était, título melancólico, nostálgico afinal, de quem tem saudades da "sua " nostalgia, a de outros tempos. 

Título desencantado também.

Talvez se sentisse velha, infeliz. Bebia muito e tinha envelhecido mal, mas continua a ser a grande Signoret. 

A Simone Signoret dos papéis amargos, do tempo perdido, da necessidade que temos de nos magoar, filmes tristes e sem esperança. Porque tudo passou 
Como "Le Chat" (1971), de Pierre Garnier- Defferre,com Jean Gabin.

O enredo é tirado do romance homónimo de Georges Simenon - que tão bem soube falar da vida das gentes que se amam, se procuram e se rejeitam.
E é um dos filmes mais dolorosos sobre a velhice e "les amours morts", no ressentimento de não terem sido capazes de manter esse amor a outro nível: Vivo, quente, cheio de ternura. 

Um filme que magoa, rasga a alma de quem vê aquela "luta" de gigantes. Até à  morte. O primeiro a morrer é o gato (nota  humorística, para "distender" do dramático da história!...) Aqueles dois actores são "imparáveis" e os rostos deles, os gestos, os olhares gravam-se-nos na memória.



Escreve. A necessidade de se contar leva-a a escrever a tal  Nostalgie n’est plus ce qu’elle était, em  1975, espécie de “outro lado do espelho” da sua vida, da sua carreira, sem maquilhagem, a nu. 


Grande sucesso. Todos gostam de ver "por dentro" os actores. Gostam de espreitar do lado de lá do espelho mágico. E o que há do lado de lá? "Vanitas vanitatis et omnia vanitas" 

Ainda escreve a continuação do livro, em 1979, mas já com menos sucesso "Le lendemain elle était souriante". 

Em 1985, sai o livro de despedida, “Adieu Volodia”.

O pano cai.

Como dizia o nosso grande Cesário Verde:

"Mas tudo cansa! Apagam-se nas frentes
Os candelabros, como estrelas, pouco a pouco..." 

(in Sentimento de um Ocidental)

Nesse ano, Simone Signoret desaparece também. Morre em Antouillet, na Normandia. 
Está enterrada no Père Lachaise, em Paris.
Ieronimus Bosch

Vanitas vanitatis et omnia vanitas? O Triunfo da Morte? E depois? Foi bela e nós gostámos da beleza dela!



3 comentários:

  1. De Simone Signoret se podía falar durante horas, como actriz, como escritora, como defensora dos direitos humanos, como mulher — e tudo em superlativo. A mim sempre me fascinou, tinha um olhar e uma voz que nunca perdeu, nem com a idade nem com os kilos demais.Fantástica.

    ResponderEliminar
  2. Era uma mulher muito bela. Às vezes mulheres muito belas (e homens, certamente) têm dificuldade em aceitar que envelhecem e que perdem parte do seu encanto, mas eu acho que há muitas pessoas muito belas, que sabem envelhecer e continuam muito charmosas e atraentes, mesmo se ganharam rugas e cabelos brancos.
    Gosto de ler biografias e diários. Um pouco de "bisbilhotice" para ver do lado de lá do espelho...
    Gostei muito do seu post.
    Um beijinho grande

    (Hoje, por coincidência, coloquei uma canção de Jean Gabin)

    ResponderEliminar
  3. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar