domingo, 30 de setembro de 2012

VOLTANDO ATRÁS NO TEMPO, REVENDO, RELENDO SHERLOCK HOLMES


dedicado à Gui...


Há autores aos quais se volta eternamente, que nos rejuvenescem, que nos animam relembrando o que sentimos quando os lemos, noutro momento, noutra vida quase.

 O sorriso vem-nos aos lábios, quando o as histórias parecem demasiado ingénuas, ou as aventuras exageradas, ou os medos que nos traziam antes, agora suportáveis.

Os suspiros, as mãos apertadas, os olhos fixos nas páginas, sem respirar, e o alívio quando a situação se resolvia, quando o criminosos era apanhado... Era o que sentia nesses tempos da leitura de Sherlock Holmes. 


E o Dr. John Watson, que saudades!

Abençoada a hora em que Sir Arthur Conan Doyle resolveu, num dia do ano de 1887, publicar no "Beeton’s Christmas Annual” o seu A Study in Scarlet. Com esse mistério, surgem os dois heróis. 
Em 1890, sai The Sign of Four.

Publicado e re-publicado, filmado e re-filmado a personagem de Sherlock Holmes tornou-se na “mais amada figura de ficção literária”, no Reino Unido.

O Museu Sherlock Holmes

Os dois inesquecíveis - pois, atrás de Sherlock, vem logo o seu amigo e “biógrafo” Watson, o inseparável Dr. Watson...

O inefável amigo pronto a ajudar, a perceber, a ouvir, a aconselhar quem não quer ser aconselhado é Watson.
Sherlock, o indomável, o inteligente, que tudo observa até ao mínimo pormenor, é o transgressor de tudo menos da honestidade e da justiça.

O maléfico Professor Moriarty, por Sidney Paget

O Professor  Moriarty é o inimigo fatal, que parece morrer sempre e renasce a cada história. Só Sherlock "sabe" que ele não morre...
É ele que, em dado momento, consegue “matar” Sherlock Holmes, empurrando-o para uma catarata sem fundo, a célebre catarata de Reichenbach, no livro “O problema final” (1891).
luta nas Cataratas de Reischenbach (desenho de Sidney Piaget)



Durante anos Watson sofreu, esperou, desesperou.

Mas um dia...como nas histórias para crianças – que todos somos e nunca deixamos de ser- aparece-lhe um mendigo muito velho, muito sujo (Sherlock era mestre na arte dos disfarces) e as aventuras recomeçam mais tenebrosas e assustadoras do que nunca!
a surpresa de Watson...
Sherlock volta a investigar...

É o conto A Aventura da Casa Vazia...

Um dia fui a Londres e –inevitavelmente- Sherlock was in my mind! Assim que cheguei, “planeei” a visita ao “mítico” endereço : 221B, Baker Street.


Conan Doyle teve o dom de nos recriar um universo especial em que – se quisermos, se tivermos fantasia para isso- mergulhamos sempre do mesmo modo: de olhos surpreendidos, cheios de curiosidade...

Lá está a “casa” de Sherlock Holmes, como a imaginámos – perfeita! Só que nunca foi ali o nº 221 B, a rua mudou toda, e só resta “do tempo” irreal da invenção do autor, aquela casa “recriada” para nós. Já no metropolitano me impressionara a "estação" Baker Street...





até fiquei de olhos fechados!...

Museu que “serve” ( e bem!) para trazer de volta o mistério...
O Dr. Watson de serviço, à espera dos "fãs"...


"casos" resolvidos por Sherlock Holmes

Vi tudo, fotografei (claro!) com o telemóvel, absorvi a “atmosfera”, imaginei-o à janela, a adivinhar a chegada de alguém, a fumar o seu cachimbo, a pensar na droga que, inevitavelmente, iria usar. 
Jeremy Brett, o "melhor" actor Sherlock Holmes

a janela de Sherlock Holmes

o quarto de Sherlock Holmes


Porque, quando não tinha um caso para resolver, quando se aborrecia, Holmes drogava-se. 

E o Dr. Watson, médico e amigo, sofria pavores!
miss que Sherlock não "via"...

Enfim, estes são os momentos em que me reconcilio com a vida e com a passagem do tempo.
Quero agradecer a estes amigos fiéis! Que me trouxeram à memória a "fantasia"!
carrocel em Brighton
um jovem fã de Sherlock Holmes com "souvenirs" do Museu


Estamos na Semana do Amigo, não se esqueçam...
Estes (os livros, as histórias, os autores) foram dos maiores amigos que tive na minha vida!

Já agora, deixo um pouco sobre Arthur Conan Doyle para quem não saiba... mas haverá alguém que não saiba?

Sir Arthur Conan Doyle, em baixo pintado por Sidney Piaget

Nascido em Edimburgo (Escócia), de uma abastada família irlandesa, em 1859, morre em 1930, com um ataque de coração, em Crowborough.

Estudou medicina e licenciou-se na Universidade de Edimburgo em 1881, decidindo estabelecer-se em Londres. 
Várias ciências o interessam, o ocultismo é uma delas.

Depois do sucesso dos dois primeiros livros, decide abandonar a medicina para escrever a tempo inteiro.
Sherlock Holmes, "visto" pelo pintor Sidney Piaget, que ilustrou as suas histórias


souvenir comprado no Museu Sherlock Holmes

Escrevia sobre muitos assuntos e um dia “cansa-se” de Sherlock (talvez Sherlock Holmes lhe “fizesse sombra...”), quer dedicar-se a escritos mais sérios e decide matá-lo -no romance His Last Bow.

Perante a reacção do público, as inúmeras cartas e protestos que recebeu ele e a Editora, os pedidos, a incompreensão, a indignação... teve de o trazer de novo à vida.
De facto “ressuscitou-o” no livro: The Hound of the Baskervilles (O Cão dos Baskervilles) que já estava escrito (1901-1902) e tinha saído numa revista.

ilustração de Sidney Piaget 



Mas percebeu cedo que teria de o fazer voltar à vida a sério e assim publica no Strand Magazine (1904-1905) as novas histórias de Holmes, reunidas sob o título: The  Return of Sherlock Holmes.

Sherlock “volta” de facto na história The Adventure of the Empty House, disfarçado de mendigo...

Watson “escreve-as” nesse ano quando Sherlock, já aposentado, lhe dá licença de as escrever.

2 comentários:

  1. fantástico post.
    As casas inglesas tinham um charme irresistivel.

    Os dois novos fãs do Sherlock são o máximo, sempre por aí a espreitar. E a outra fã está muito bem na fotografia!

    Um beijinho

    ResponderEliminar
  2. Bem, só posso fazer uma vénia a este post. Até as pessoas que não lêem policiais como eu, ficam com com vontade de os ler. As fotografias estão muito boas.
    E, o número de fãs não pára de crescer... Pensei que os nossos amigos ainda não sabiam ler! Afinal enganei-me...
    Beijinhos.

    ResponderEliminar