quarta-feira, 13 de março de 2013

UM PAPA EM TEMPOS DE CRISE...



Não posso dizer muito, não sou católica, talvez nem devesse dar a minha opinião sobre o novo Papa. 
Soube que era um jesuíta e pensei nas "mentes" inteligentes e fechadas e preocupei-me como talvez não devesse. (Ou deverei?)
Porque todos os homens são diferentes, e não peças "catalogadas" ou catalogáveis. Um jesuíta pode ser um bom cristão...


Vi as imagens na televisão, como toda a gente viu. E confesso que lhe achei um ar curioso e lhe vou dar o benefício da dúvida.

Porque ele se dirigiu às “mulheres e homens de boa vontade”, sem diferença de credos (espero!). 

Porque falou da fraternidade e isso é um valor esquecido...

E se curvou, com humildade. Pode ser que se preocupe com os pobres e com as injustiças... E com a igualdade e com a dignidade das pessoas... E com o respeito do próximo e das suas escolhas.

E, valor caro a Cristo, a simplicidade!

o meu Cristo da Paixão, em barro, da Rosa Ramalho

Cristo desejou a paz na terra aos homens de boa vontade! Cristo amou. Cristo compreendeu.
um São Francisco do século XIV

Quero acreditar que um Papa que se quis chamar Francesco seja um homem de boa vontade ... Dou-lhe, pois, o benefício da dúvida. Ser como Francesco não é simples, muito menos em tempos de crise!

San Francesco em êxtase, de Caravaggio

"o céu sereno", indiferente aos "bichos da terra tão pequenos"...

"Onde pode acolher-se um fraco humano
Onde terá segura a curta vida
Que não se arme e se indigne o Céu sereno
Contra um bicho da terra tão pequeno?"

Camões, Os Lusíadas, Canto I


5 comentários:

  1. Que vivam as crianças

    e já é tanto

    ResponderEliminar
  2. Oxalá o espírito de Cristo e a simplicidade de São Francisco de Assis iluminem este Homem, Pastor de muitos outros, e faça voltar a Igreja Católica aos verdadeiros princípios da Paz, do Amor, da Fraternidade e das Boas Vontades...

    O chamar-se Francisco é um bom começo... e como tudo tem um princípio...

    ResponderEliminar
  3. Gostei da primeira impressão que me deixou, gostei do nome que escolheu e gostei da maneira simples de ser (segundo aquilo que disseram ontem). Espero que Deus o ilumine no desempenho de tão difícil tarefa.

    Um beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois é, Isabel... Desejo que tenhas razão!
      Um beijinho

      Eliminar
  4. Sempre houve países abocados à miséria com qualquer Papa, e quê?
    Se fossem eles que tivessem que arranjar o mundo estávamos aviados! Quando fazem alguma reforma na Igreja, é porque não têm mais remédio, sempre vão a remoque do progresso e da ciência, e das necessidades reais dos seus acólitos. Por não falar de outras coisas, bem tristes. Oxalá o Papa Francisco nos surpreenda com alguma coisa de geito.
    Bonsoir, chérie!

    ResponderEliminar