quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

Louis Armstrong - "Basin Street Blues" e uma velha entrevista de um brasileiro...


Num chalé em Las Vegas, Estados Unidos, (em 1956) Darwin Brandão e Armando Rozário -dois brasileiros- ouviram, fotografaram e entrevistaram o mais famoso pistonista do mundo.

No seu blog "O Rebate", conta Armando Rozário:

"Louis Armstrong é o mais famoso músico e cantor de jazz de todo o mundo. Pertencente ao que se pode chamar de "velha guarda", "Satchmo" (boca de saco), é vedette internacional.

Seus "shows" são caríssimos e quando êle se exibe em teatros e "boîtes" de Paris, Londres, Roma às vezes é necessário a intervenção da polícia, dado a entusiasmo dos fãs do famoso trompetista.


Mas êle é um homem sereno, simpático e dono de uma risada volumosa e sôlta. Quanri seus dentes brancos se mostram todos contra a cara preta, larga e sempre lustrosa.

Armstrong se confessa um homem rico. Quando lhe perguntei se poderia deixar de tocar piston naquele instante, êle me disse:

- Não posso dizer que seja um homem rico, um milionário como querem muitos. Mas posso agora, nesse instante, deixar de lado meu instrumento e passar o resto da vida sem maiores dificuldades. Posso parar de tocar, sim. Mas não quero.

Essa sua declaração pode ser juntada a outra: a resposta que Louis deu ao empresário brasileiro que o foi contratar para uma temporada no Brasil:


-Eu só sei tocar piston. É a única coisa que sei fazer e não quero realmente fazer mais nada. Vivo para minha música e para meu instrumento.

Quando os entrevistadores lhe propõem ir tocar ao Brasil, responde:


- Gostaria imenso de ir ao Brasil e agradeço bastante seu convite, mas você terá que falar com meu agente, em Nova Iorque. Ele é que trata de meus negócios: Louis toca aqui, Louis toca ali. Eu toco. Nada me dá mais prazer do que tocar piston. Mas não me envolvo com negócios, contratos e dinheiro.

Amstrong é considerado pelos historiadores do jazz como o homem que mais tem contribuído para manter o verdadeiro jazz em sua pureza.


Hoje ouvi encantada esta música! Cantava Ella Fitzgerald & Louis... Uma pequena maravilha. Ouçam!

2 comentários:

  1. Sou suspeita porque em jazz ele é o meu favorito!

    Gostei de conhecer esta entrevista, ela corresponde à ideia que eu fazia de Armstrong e das memórias que se vão registando.
    A dupla é fantástica, Ella Fitzgerald tem uma voz sublime!
    Obrigada por este momento.
    Beijinho.

    ResponderEliminar
  2. Muito bom,

    Sabe, lembra fim de festa de gala...do tipo formatura de militares ou até aquele som gostoso no piano bar perto da hora do jantar.

    Não conhecia,adorei...obrigada pela dica, vou procurar mais coisas sobre ele.

    cozinha dos Vurdons.

    ResponderEliminar