quinta-feira, 10 de março de 2011

O Filme que vai sair: "Nunca me deixes" (do livro de Kazuo Ishiguro, "Never let me go")...



Há uns meses escrevi sobre este livro de Ishiguro (Never let me go) -que me impressionara na altura de modo especial. E cujo filme, realizado por Romanek acabou de sair (2 de Março) em França, depois de ter aparecido no início do ano passado em Inglaterra.

Falava da história de três adolescentes (Ruth, Tom e Kathy, a narradora) e da sua amizade num colégio interno –escola aparentemente idílica- onde vivem completamente isolados do mundo que está lá fora.

Adoelescentes que vivem num circuito fechado ao exterior, onde apenas conta a sua educação, bem-estar e “protecção”.

Quando crescem, jovens adultos, a vida dá de repente uma grande volta, e o mundo cai-lhes em cima.

"A atmosfera do colégio-orfanato de Hailsham –o lugar seguro, o sítio onde os alunos se podem considerar “iguais aos outros”, encontrar protecção - e fora do qual ignoram o que poderá acontecer-lhes.
Ignoram que espécie de “existência” os espera “lá fora”. Sabem no entanto que os aguarda um destino invulgar.
Naquele estranho colégio interno são criados e educados, sem família. Os professores empurram-nos para a criação de obras de arte, sob diferentes formas.A misteriosa Madame, espécie de directora, escolherá os melhores e vai mais tarde reuni-los numa Galeria.
Miss Emily, a professora que está “mais próxima” de Kath, ajuda-a, entusiasma-a."
É a única qude consegue "comunicar" um pouco de sentimentos, afectividade, naquele mundo quase asséptico.
"Criar é importante. Manter a saúde também é importante. Resguardarem-se do que se passa fora dos muros do colégio também", digo eu no referido "post".


Existe um mistério naquela escola, nas suas “existências”, um segredo que os vai atingir com força, dolorosamente, atingindo-os no que têm de melhor: a amizade, os amores...

No momento em que se apercebem do que é realmente a sua vida, descobrem como é absurdo tudo “o que viveram até àquele momento da vida”.
Por mais estranho que nos pareça a "acção" -como verão, ao ler o livro ou ao ver o filme- é sempre o sentimento de abandono, a angústia da adolescência, o medo de não se pertencer a lado nenhum, um "rasgar" dentro de nós pela complexidade dos sentimentos novos, os paradoxos...
Tudo num ambiente de névoa, de insegurança de nós mesmos e dos outros: quem somos, de onde viemos, para onde vamos?
É a dúvida central dos adolescentes, chegados à idade adulta, querendo entender o "porquê" da sua vida, do afastamento, da "diferença"...

É sempre a dúvida de todos nós...

Kazuo Ishiguro é autor de outros romances: "Nocturnos", "An Artist of the floating world", entre outros.

Devo dizer que a editora portuguesa Gradiva traduziu quatro dos seis romances de Kazuo Ishiguro:


Os Despojos do Dia (1989, vencedor do Booker Prize), Os Inconsolados (1995, vencedor do Cheltenham Prize), Quando Éramos Órfãos (2000, nomeado para o Booker Prize) e Nunca me deixes (2005, vencedor do Booker Prize).

O romance Never Let Me Go (Nunca me deixes) é de 2005 e foi uma obra muito premiado na altura em que saiu.
Foi escolhido também para os prémios Arthur C. Clarke Award e National Book Critics Circle Award desse ano.


O Time magazine considerou-o o melhor romance de 2005, e incluíu-o na sua lista das "melhores 100 novelas". Recebeu o Prémio da
American Library Association (ALA) e o Alex Award, em 2006.


O realizador é
Mark Romanek; os actores são: Keira Knightley, Carey Mullgan, Andrew Garfield e Charlotte Rampling.

Outros filmes em que o escritor Kazuo Ishiguro particip
a (quer com argumentos tirados dos seus livros, quer escrevendo ele próprio o guião) foram por exemplo:
Os Despojos do Dia (1993) do realizador James Ivory, com dois grandes actores ingleses Anthony Hopkins e Emma Thompson e, ainda, John Haycraft.



The Saddest Music in the World (2003), a canção Gloomy Sunday (cantada magistralmente por Bille Holiday) do húngaro que dizem ter provocado o maior número de suicídios na América dos anos 20/30.

O realizador é Guy Maddin; os actores Isabella Rossellini, Mark McKinney e Maria de Medeiros

A Condessa Russa (2005) é de James Ivory; actores Ralph Fiennes, Natasha Richardson e a grande Vanessa Redgrave.


Em 2010 sai em Inglaterra o filme de que hoje falo. Ignoro quando sairá por cá... Se souberem, digam-me...


Alguns videos interessantes:


http://www.imdb.com/video/imdb/vi1723008537/
http://publi.lemonde.fr/neverletmego/?utm_source=Le%2BMonde&utm_medium=Supplement%2Bpartenaire&utm_campaign=2011%2BFox%2BNever%2BLet%2BMe%2BGo

3 comentários:

  1. Fiquei curiosa...Tenho que ver o filme (ou ler o livro).

    ResponderEliminar
  2. Agora que terminei o livro tenho muita vontade de ver o filme.

    ResponderEliminar